terça-feira, setembro 30, 2008

Mudando o Ângulo de Visão...



Um dia desses ao ler um livro que tenho sobre desenho artístico (sim, eu desenho), me deparo com um exercício interessante. Eu teria de desenhar a figura escolhida de cabeça para baixo sem virá-la para a posição normal em momento algum até ter acabado. Pois bem, foi o que fiz. Terminado o desenho virei-o para ver como havia ficado e qual não foi a minha surpresa, ao constatar que ele estava praticamente igual ao original! Me pareceu tão fácil na hora, embora, se fosse desenhar "normalmente" teria muito mais dificuldade e o resultado, eu creio que não seria tão próximo ao original assim. Mas então como consegui essa façanha?


A autora explica que este exercício ajuda a "ver à maneira do artista" e para tanto é preciso mudar o ângulo de visão habitual. Os artistas, explica ela, vêem o mundo de uma maneira especial e é isso que lhes confere a capacidade de pôr para o papel ou a tela exatamente aquilo que enxergam. Por isso a minha facilidade para fazer aquele desenho. Eu estava vendo como um artista vê.


A partir disso pensei se não poderia aplicar esse mesmo exercício de desenho para minha vida diária. Quantas vezes passamos por problemas que nos parecem tão difíceis de serem resolvidos e vivemos uma vida tão estressante e corrida, que mal dá tempo para "respirar" e não nos damos conta de que não é necessário uma grande mudança, basta mudar o ângulo de visão. Não que os problemas ou a vida corrida irão terminar, mas podemos a partir de uma nova ótica, enxergar novas soluções e com isso, também acabamos por descobrir a nossa "miopia interior".


Nos últimos dias tenho lido um livro muito interessante em que a narradora, a morte (ela mesma), apesar de seu ofício e de todos os predicados que ela possa ter, gosta de ver a beleza das cores por onde passa. Curioso, não? Um ser que, a princípio, só nos faz pensar em dor e sofrimento consegue comtemplar a beleza das coisas, da vida. Quantas vezes por apenas enxergar o que está a nossa volta por um mesmo prisma (muitas vezes negativo) só conseguimos ver tudo em tons de cinza ou desbotando. Sentimos como se estivéssemos perdendo as forças e vamos nos deixando sufocar por esse dia a dia tão agitado sem vislumbrar um escape. Precisamos reaprender a olhar por novos ângulos os problemas, a vida, as pessoas e até nós mesmos. É preciso para que possamos enxergar a beleza das cores. Podemos até não nos tornar como os artistas a pintar belos quadros, mas com certeza a nossa vida será mais bem vivida e colorida.

Quanto aos desenhos tenho melhorado, mas ainda falta muito para chegar onde quero. O segredo é a observação e fazer bastante exercício para aprimorar, embora nem sempre dê para praticar tanto quanto gostaria. Já o outro "exercício"confesso que não é fácil, pelo menos pra mim. Este tenho plena noção de que é preciso praticar diariamente.

Nenhum comentário: