quarta-feira, agosto 04, 2010

Ciranda

Foto de José Dionisio Ruivo Neca


Em mim habita uma criança sorridente, brincalhona, alegre e cheia de esperanças.

Em mim habita um velho sisudo, triste, pessimista e rabugento.

Em mim  habita uma mulher doce, cheia de sonhos, encantos e mistérios.

Em mim habita um homem sério, pragmático, trabalhador e generoso.

Em mim habita um Deus que é Amor.

Todas as tardes eles se encontram, suas mãos se entrelaçam e eles dançam e cantam uma alegre cantiga de roda.

Cristina Danuta de Souza, em 04/08/2010

2 comentários:

Juliana Dacoregio disse...

Bom quando eles conseguem entrelaçar as mãos e dançar juntos... O povo que vive dentro de mim quase sempre está se estapeando ou uns de mal com os outros!

Cristina Danuta disse...

Oi Juliana,

rsrs, mas isso também acontece comigo. Eu costumo dizer que vivo em crise interna, como se um caos permanente existisse dentro de mim. Na mitologia grega do caos primitivo surgiram os vários deuses e tudo que existe. Como diria Nietzsche: " É preciso ter um caos dentro de si para dar à luz uma estrela cintilante". Talvez, todos aqueles que tem a necessidade de criar algo permanentemente, seja pintura, texto, ou outra coisa, tenham esse caos criador dentro de si.