quinta-feira, agosto 05, 2010

Vaidade

A morte de Orfeu - Albrecht Durer - 1494


Então vi debaixo do sol que os homens se deixam ludibriar por falsas promessas de sucesso e felicidade. Seus olhos enegrecem, seus ouvidos ficam enfeitiçados e  seus corações são corrompidos pelas trigêmeas, filhas da destruição: a  inveja, a ganância e a cobiça dos olhos.

Vi também que os homens atentam para muitas coisas más. Seus olhos se enchem de desejo pelo trono do poder. Não percebem que ali também é lugar de grande perigo, pois não enxergam que sobre o trono pende uma enorme e pontiaguda espada.

Vi que os homens fazem banquetes e cantam e dançam entre si, mas não percebem que são infelizes  e mizeráveis, e estão pobres, cegos e nus.

E vi ainda que os homens enchem seus lábios do mais puro mel para, no momento oportuno, deixarem que escorra pela mesma boca o fel do ódio e da inveja. Como pode jorrar da mesma fonte água límpida e água turva?

Então lamentei profundamente e chorei, porque a vida é extremanente rica e bonita, mas os homens não sabem disso.

Cristina Danuta de Souza, em 04/08/2010

2 comentários:

Mari disse...

Oi Cris...

Profunda sua crônica...mas é o que a gente vê, infelizmente.

Beijos

Cristina Danuta disse...

Oi Mari.

Infelizmente existem muitas pessoas assim. Eu já vi isso bem de perto.

Bjs e um ótimo fim de semana pra ti.