segunda-feira, dezembro 26, 2011

Fiat Lux


Noite de domingo no metrô. Volta para casa. Verão e uma criança que faz graça para outra. Um bebezinho de colo que se diverte como ninguém. O silêncio só era calado pelas risadas infantis em cada freada que o vagão dava.

A noite, insuportavelmente quente, ficou mais suave, mais alegre naquele momento. Alegria simples. Coisa à toa. Como fazer pipa voar. Mas que deu uma alegria na alma.

A noite foi iluminada pelos risos da infância. Da escuridão noturna se fez luz por alguns instantes. E por alguns instantes eu me vi uma criança novamente.

Um comentário:

Anônimo disse...

Normalmente quem brilha não percebe o próprio brilho. Eu diria que aquele vagão se iluminou quando você entrou nele. Ficção ou realidade, não faz diferença. Continue brilhando, apenas sendo você. Simples assim.